Pular para o conteúdo principal

Destaques

Estreia: Íris Esportiva podcast

Carol Sales, Guilherme Valentim, Matheus Aquino, Bia Novoa e Gheurly Lincker encabeçam o time do podcast Íris Esportiva/ Ilustração : Guilherme Valentim

Nosso podcast está no ar!

Curte ou tem interesse por esporte? Não deixa de acompanhar os próximos episódios que ainda vai rolar muito assunto, conversa e discussão sobre esse universo.

Sempre um novo episódio nas principais plataformas de podcast.


Ouça pelos links:

Anchor: https://anchor.fm/iriscomunicacao

Spotify: https://open.spotify.com/show/1nbSpS9rzYH9DL4snSdzyLhttps://castbox.fm/app/castbox/player/id2633574/id238079670

Castbox: https://castbox.fm/va/2633574

Itunes:https://podcasts.apple.com/us/podcast/%C3%ADris-comunica%C3%A7%C3%A3o-ejcom-ufpb/id1499276535?uo=4

Google Podcast: https://www.google.com/podcasts?feed=aHR0cHM6Ly9hbmNob3IuZm0vcy8xM2ZmMDMzMC9wb2RjYXN0L3Jzcw==

Assine o RSS https://anchor.fm/s/13ff0330/podcast/rss


Apresentação: Guilherme Valentim
Comentaristas: Bia Novoa, Carol Sales, Matheus Aquino e Gheurly Lincker
Edição…

O medo da liderança

Assumir uma liderança causa receios. É mais confortável estar dividindo responsabilidades do que assumir um papel onde as suas ações são julgadas. Há pessoas que se dispõem a estar lá, mas nem sempre isso pressupõe que o que farão será por si ou pela equipe.
É normal a desconfiança, quem não assume um posto de liderança tem certa pressa em julgar aqueles que decidem liderar. Mas, ao dar-se poder, sim, é revelada a verdadeira face de um(a) líder. Afinal, essas experiências vem desde os trabalhos escolares, em nossa base educacional e de primeira socialização fora do seio familiar.

Quem não teve aquele colega que era simpático e conseguia tudo às custas dos outros? Aquela pessoa que fazia tudo, mas não se expressava e não recebia os méritos? Quem “vendia favores” para não fazer alguma atividade? Ou a famosa cola?

Esses comportamentos acabam reverberando, em escalas diferentes, nas relações construídas na universidade e no trabalho. Não é diferente, só que as regras ficam mais rígidas – agora é “na vera”.
Existem vários exemplos, imagens, frases que buscam consolidar o que é uma boa liderança e o que seria “chefiar” de forma autoritária uma equipe. Vale lembrar que cada instituição tem sua cultura organizacional – afinal, não dá para reunir um conselho de bombeiros anciãos para tomar uma decisão quanto a um incêndio, tampouco se colocam pessoas de curta determinação para planejar ações de longo prazo.

Reconhecer o estilo de liderança que uma organização pratica, parte da compreensão do papel de quem está com a responsabilidade de conduzir o processo e os demais que colaboram com a execução. Sim, os pesos são diferentes, mas as medidas também são segundo a mesma proporcionalidade.

Ninguém está pronto para assumir algo plenamente sem cometer erros, o importante é ter consciência das consequências que uma falha pode ocasionar e reconhecer os limites, para saber buscar quem tem mais experiência e como a equipe pode auxiliar.

É muito mesquinho da parte de alguns torcer pelo fracasso, desvalorizar e fechar canais para que alguma liderança não consiga desempenhar seu papel.

A forma mais simples de afastar o medo de liderar é tendo a certeza que, mesmo que tentem derrubar, suas intenções farão com que o trabalho realizado seja único em suas limitações e qualidades.

Quem se dispõe a abrir a trilha do presente é também quem dá o nome à avenida do futuro

Comentários

Postagens mais visitadas